Publicidade

Publicidade

Anuncie aqui!

Newsletter

Inscreva-se para receber a nossa Newsletter e se manter atualizado.

Compartilhe

Compartilhe

Compartilhe

Compartilhe

Buscar

Japonês de primeira

  • Compartilhar
Lançado mundialmente no ano passado tendo os Jogos Olímpicos do Rio como mola propulsora, o Nissan Kicks estreou no Brasil com muita pompa. A seu favor, o utilitário-esportivo da marca japonesa se destaca pela ótima relação custo-benefício. Sobretudo na versão top de linha, a SL, que sai a partir de R$ 91.900. Por enquanto, o SUV da Nissan ainda vem importado do México, mas logo logo começará a ser montado na planta da montadora na cidade de Resende, no Rio de Janeiro, para encarrar inúmeros rivais como Honda HR-V, Jeep Renegade e outros.
Além do preço competitivo e design arrojado, que inclusive pode ser bicolor, a versão traz uma atrativa lista de equipamentos de série. Há direção elétrica, ar-condicionado, central multimídia com GPS, seis airbags, revestimento de banco, puxadores e volante em couro, painel parcialmente em TFT, chave presencial e outros itens. Controles eletrônicos de estabilidade e tração e assistente de partida em rampa também aparecem, além de sistemas menos comuns no segmento. Caso do controle em curvas, detector de objetos em movimento e controle dinâmico de chassi – que atua para equalizar o movimento das suspensões dianteira e traseira. 
O carro ainda conta com um sistema de câmeras que foge do lugar-comum: há a de ré, uma dianteira e duas laterais, que juntas formam uma imagem 360 graus do exterior. O resultado é uma visão simulada de cima do carro, que possibilita que o condutor enxergue, de dentro do Kicks, todos os obstáculos no lado de fora. Um grande barato.
 
Desempenho agrada
O motor 1.6 16V responde bem às pisadas no acelerador, mas é o mesmo que equipa as versões mais caras do hatch March e do sedã Versa em suas versões top. No caso do Kicks, no entanto, recebeu uma nova calibração e rende 114 cv, com etanol ou gasolina, e 15,5 kgfm – contra 111 cv e 15,1 kgfm dos dois modelos nacionais. A transmissão automática CVT tem seis marchas e cumpre um bom trabalho tanto na cidade quanto na estrada.
A estabilidade do Kicks é bacana. O carro tem uma suspensão bem calibrada e, além disso, tem tecnologia de sobra com os controles eletrônicos de estabilidade e tração, corrigindo o carro caso o motorista exagere na velocidade numa curva mais acentuada. A interatividade é garantida pela central multimídia do SUV, que deve no quesito conectividade. Ela não acessa a internet via wi-fi, por exemplo, nem conta com aplicativos pré-instalados, como a central das versões mais caras de outros modelos da Nissan.
 
Estilo próprio
O SUV é bem confortável. Tem um bom espaço interno e quatro pessoas viajam com muita folga no carro. O nível de acabamento do interior é compatível com o preço de modelos equivalentes, acima dos R$ 90 mil. Bem arrematado, mas sem luxos. O porta-malas com 432 litros de capacidade é outro ponto forte do Kicks. Por fora, o carro chama a atenção pelo porte e seu estilo moderno com linhas marcantes e um teto flutuante, no caso da versão testada, pintado opcionalmente em laranja metálico. Um toque sutil de charme e elegância, sem dúvida.
Um ponto importante para quem opta por um veículo familiar é a economia de combustível e isso, de fato, também chama atenção no modelo. O InMetro aferiu 13,7 km/l na estrada, com gasolina no tanque, para o modelo. Mas é possível extrair um consumo ainda menor do crossover. O motor 1.6 de 114 cv não chega a instigar o motorista – até porque chega acompanhado pela transmissão continuamente variável, capaz de simular até seis marchas. Mas o SUV compacto se mostra ágil na cidade e na estrada, graças à boa relação peso/potência, de 10,01 kg/cv. Fotos divulgação jc

Comentários

Comentário cadastrado com sucesso. Aguardando aprovação.

Nenhum comentários cadastrado.

Publicidade

Compartilhe